You are here

Tour Tokyo: o café brasileiro do outro lado do Planeta

News
22.10.2019

Do Brasil rumo ao Japão. No início de setembro, representantes da Nucoffee estiveram na terra do sol nascente para apresentar a inovadora tecnologia dos cafés nutracêuticos no SCAJ World Specialty Coffee Conference and Exhibition 2019.

O evento deste ano teve como enfoque “Innovation with Hospitality” e contou com a presença da Gerente de Negócios Nutrade, Roberta Armentano, e do Professor Titular do Departamento de Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Prof. Dr. Flávio Borém. 

Durante o encontro, Roberta pôde explicar para os presentes sobre a plataforma Nucoffee, enquanto o Prof. Borém falou mais sobre a recém-finalizada pesquisa conduzida por ele – resultado de uma parceria público-privada (PPP) entre Nucoffee e UFLA – sobre os cafés nutracêuticos.

De acordo com Roberta, no decorrer da palestra, a principal dúvida a ser sanada tratava da possibilidade de a tecnologia mascarar os defeitos do café. “Pudemos explicar que o Centro de Processamento de Café Nutracêutico Nucoffe/Syngenta somente receberá grãos maduros e saudáveis, ficando os grãos boia, passa e coquinho já separados no lavador da própria fazenda, e que todo o controle será feito de forma a receber grãos verdes, imaturos, porém 100% saudáveis e livres de defeitos”, ressaltou.

Além da passagem pelo SCAJ, Roberta e o Prof. Borém tiveram a oportunidade de apresentar a tecnologia dos nutracêuticos em visitas às maiores empresas do ramo no Japão.

“A viagem foi um sucesso! O café nutracêutico surpreendeu e o interesse é enorme. Sem dúvida, é grande a oportunidade de abrir o mercado no Japão, principalmente por se tratar de um país que busca por mais saudabilidade em seus produtos”, comentou Roberta.

 

Mais qualidade nas fazendas e mais sabor nas xícaras

Beber um bom café faz a alegria de milhares de pessoas ao redor do mundo e o hábito pode ganhar ainda mais força se a xícara proporcionar benefícios à saúde, além de todo o sabor. Essa é a vantagem que os cafés nutracêuticos trazem à mesa.

A palavra "nutracêutico" é uma combinação das palavras "nutrição" e "farmacêutico". Assim, um produto nutracêutico é nutricional, funcional e também pode ser medicinal. 

A novidade é proveniente de uma parceria público-privada (PPP) entre a Syngenta e a Universidade Federal de Lavras (UFLA), de Minas Gerais, que, juntas, conduziram um estudo que aprimorou o perfil químico dos grãos, intensificando seu sabor e aumentando em até 40% suas propriedades antioxidantes. É esse aperfeiçoamento dos grãos que os caracteriza como nutracêuticos.

Se até hoje as chamadas “ondas do café” se baseavam na:

- qualidade;

- experiência de consumo;

- e nas novas formas de processamento do produto, sendo a última com viés de cafés artesanais; 

aproveitando a maré de alimentos funcionais, a descoberta da pesquisa inaugura a quinta onda do café: a da saudabilidade, que expande suas propriedades e o reposiciona como um alimento funcional.

Com esse novo alcance, os cafés nutracêuticos permitem que os produtores ofereçam grãos com sabores que o consumidor ainda não experimentou, além de poderem explorar a comercialização do produto em outros setores do mercado, como o farmacológico, de suplementos e até mesmo de cosméticos.

 

Os resultados da pesquisa dos cafés nutracêuticos

Iniciada há cinco anos pelo Dr. Flávio Borém, Professor Titular do Departamento de Engenharia Agrícola da UFLA, a investigação buscava solucionar a seguinte necessidade: aumentar as propriedades saudáveis do café e ao mesmo tempo melhorar seu sabor. Objetivo esse atingido com sucesso.

Obtida por meio de um processo inovador, que utiliza até 30% dos grãos verdes, a nova técnica aumenta a produtividade da colheita, bem como o índice de qualidade do grão de café que, até então, não excedia 80 pontos ao incluir uma grande quantidade de cerejas verdes.

Isso significa que os cafés nutracêuticos reúnem na xícara um sabor incomparável, apresentando mais doçura, complexidade, acidez e corpo, e subindo de 3 a 5 pontos na escala de Avaliação Sensorial SCA (Specialty Coffee Association).

Em suma, os resultados obtidos na pesquisa de cafés nutracêuticos, permitem à Syngenta, por meio da plataforma Nucoffee, não só melhorar a qualidade dos cafés brasileiros, como também contribuir com os desafios enfrentados pelos produtores em termos de produtividade na colheita.